Corrimento vaginal: O que é normal e o que não é? PDF Imprimir E-mail

 

A umidade vaginal e o odor são problemas comuns à maioria das mulheres, e estas são as principais queixas ginecológicas. A vagina frequentemente expele muco e secreções, sendo estes componentes normais resultantes da fisiologia deste órgão. Além disso, as mulheres não percebem que a área da vulva possui mais glândulas sudoríparas que qualquer outra parte do corpo. Portanto, as mulheres que são ativas, praticam esporte ou apenas que tendem a transpirar, podem encontrar muitas vezes a área vulvovaginal bastante úmida. As glândulas sudoríparas nesta região secretam fluidos. Essa transpiração, juntamente com as bactérias que naturalmente residem na área genital, contribui para o odor e umidade genital. A maioria das mulheres tem algum grau de odor e de corrimento que é "típico" para elas.
A umidade é uma causa comum de odor e pode ser devido a uma série de motivos:

  • Transpiração em excesso
  • Vazamento urinário
  • Corrimento vaginal normal
  • Menstruação e corrimento resultante de flutuações hormonais
  • Atividade sexual
  • Infecções vaginais

O que é um corrimento normal?

  • Um corrimento que seja claro, branco leitoso ou levemente amarelo/cor de palha.
  • Um corrimento que não tenha um odor desagradável, ou cause queimação excessiva ou coceira.
  • O corrimento normal pode ser mais volumoso em determinados momentos do mês, particularmente no meio do ciclo ovular das mulheres.

O que não é um corrimento normal?

  • Um corrimento com odor desagradável tal como o de peixe ou rançoso
  • Um corrimento que é mais volumoso do que o habitual, com fragmentos (como queijo cottage), cinza, amarelo, verde ou com sangue
  • Um corrimento que provoca ardência ou dor durante a relação sexual ou micção

O que fazer no caso de corrimento vaginal:

  • Entenda que o corrimento vulvovaginal geralmente é parte da saúde vaginal normal.

O que não fazer no caso de corrimento vaginal:

  • Não se desespere se você perceber que você tem um corrimento.
  • Não hesite em consultar o seu médico caso seu corrimento seja anormal ou se você tiver alguma preocupação pertinente.

Tradução e adaptação do artigo da Dra. Adelaide G. Nardone, MD;
Membro do Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas e consultora-médica do Vagisil® Research Center.