Dores vaginais inexplicáveis: Vulvodínia e Dispareunia PDF Imprimir E-mail
Avalia√ß√£o do Usu√°rio: / 124
PiorMelhor 

 

Entendendo por que a dor interna ou externa nunca é normal

Como sou uma "especialista vulvovaginal", a dor vaginal, tamb√©m conhecida cientificamente como vulvod√≠nia, √© um assunto que tenho grande interesse. Talvez voc√™ nunca tenha ouvido falar do termo "vulvod√≠nia". Embora esta seja documentada em livros de medicina de 1800, at√© 1983 n√£o t√≠nhamos um nome para este grande grupo de sintomas vulvares que incluem ardor cr√īnico, irrita√ß√£o, dor, dor ao toque, queima√ß√£o e/ou rela√ß√Ķes sexuais doloridas.
A dor vaginal afeta muitas mulheres, pois, de fato, uma recente pesquisa realizada pela Harris Interactive¬ģ para Vagisil¬ģ Research Center revelou que sete por cento das mulheres com idade a partir dos 18 anos reportou ter ocasionalmente alguma dor vaginal, e um por cento dessas mulheres relatou ter dor vaginal regularmente.
Em Boston, no Brigham and Women's Hospital, onde fa√ßo parte da equipe m√©dica, o Dr. Bernard Harlow e eu acabamos de concluir o primeiro estudo epidemiol√≥gico de dor vulvar patrocinado pelo National Institutes of Health. Nesse estudo, 16 por cento das mulheres relatou ter queima√ß√£o cr√īnica, dor cortante, ou dor no contato vulvar, o qual durou pelo menos tr√™s meses. (Harlow BL, Stewart EG Uma avalia√ß√£o com base populacional de dor vulvar cr√īnica inexplic√°vel: temos subestimado a incid√™ncia de vulvod√≠nia? JAMA 2003; 58:82-8).
Pessoalmente, acredito que a vulvodínia afeta muito mais mulheres do que a maioria dos médicos, tradicionalmente, acredita. Em um mês, em minha própria especialidade, vejo mais de 100 pacientes com dor vulvar.
Para esclarecer qualquer confus√£o acerca dos termos que empregarei, aqui est√£o as defini√ß√Ķes com base em novas categoriza√ß√Ķes da International Society for the Study of Vulvovaginal Disease, de 2003:

  • Vulvod√≠nia (VVD): dor espont√Ęnea generalizada na √°rea vulvar. Pode, ou n√£o, haver dor durante o coito, que √© chamado de dispareunia. Voc√™ tamb√©m pode ouvir o termo ‚Äúvulvod√≠nia‚ÄĚ utilizado como termo geral para qualquer tipo de sintomas vulvares doloridos, incluindo as condi√ß√Ķes seguintes.
  • Vestibulodinia (VBD): dor ao toque em uma parte da vulva conhecido como o vest√≠bulo, a √°rea entre os l√°bios finos interiores. Esta quase sempre faz com que as rela√ß√Ķes sexuais sejam doloridas. Tamb√©m chamado de vestibulite vulvar ou apenas vestibulite, √© um tipo espec√≠fico de vulvod√≠nia localizada no vest√≠bulo.
  • Clitorodinia: outra forma localizada de vulvod√≠nia com dor no, ou ao redor do clit√≥ris.

Os m√©dicos consideram a VBD e a VVD condi√ß√Ķes de dor cr√īnica. Embora a causa exata da dor vulvar ainda n√£o tenha sido confirmada, uma das principais teorias diz respeito a uma falha no sistema nervoso central. As termina√ß√Ķes nervosas n√£o funcionam bem e as mensagens se misturam, de modo que sente-se dor ao toque ou a queima√ß√£o est√° presente sem raz√£o aparente.

Diagnóstico: Vulvodínia ou Vestibulodinia

A dor vulvar é algo complicado de diagnosticar, pois praticamente não há sinais físicos da doença. As mulheres se queixam de dor grave e/ou incapacidade de ser tocada, mas quando o médico faz um exame, nada parece incomum além de uma vermelhidão.
Teoricamente, a VVD e a VBD s√£o principalmente dist√ļrbios de dor que v√™m de circuitos de dor anormal gerada no sistema nervoso central. A VVD e a VBD podem ser dois tipos diferentes de dist√ļrbios da dor. A VVD pode ser uma dor proveniente de uma les√£o do nervo. J√° a VBD pode ser uma dor oriunda da inflama√ß√£o do nervo.
Creio que a VBD seja uma forma de dor inflamatória. O nervo não se apresenta danificado, mas é continuamente bombardeado por inflamação, de tal forma que ocorre a mudança de sinal na medula espinhal ocasionando dor contínua.

O Que Devemos Inicialmente Descartar:

O diagnóstico da VBD ou da VVD é feito após um processo de eliminação, excluindo outras possíveis causas de dor vaginal. Estas incluem:

  • Infec√ß√Ķes - estas incluem, por√©m n√£o est√£o limitadas a, fungo, herpes, v√≠rus do papiloma humano (HPV), trichomonas (trich)
  • Traumatismo - inclui agress√£o sexual e outras les√Ķes f√≠sicas
  • Doen√ßa sist√™mica - por exemplo, Doen√ßa de Crohn, l√ļpus e s√≠ndrome de Sjogren, em que as c√©lulas imunol√≥gicas atacam e destroem as gl√Ęndulas do corpo que produzem as l√°grimas e a saliva, que √© caracterizada por boca e olhos secos, bem como secura vaginal dentre outras √°reas do corpo
  • Condi√ß√Ķes pr√©-cancerosas - neoplasia intra-epitelial vulvar (NIV), c√Ęncer vulvar
  • Abrasivos - por exemplo, sabonetes, sprays, duchas, anti-s√©pticos, suposit√≥rios, tratamento a laser
  • V√°rios tipos de doen√ßas da pele tal como eczema, a qual √© uma inflama√ß√£o n√£o contagiosa da pele

Tratamento

Se você acha que tem VBD, sugiro que você tente o seguinte:

  • Leia e aprenda acerca do problema; voc√™ pode participar de um grupo de apoio
  • Elimine qualquer ativador poss√≠vel ao suprimir infec√ß√£o f√ļngica, tratando uma doen√ßa de pele ou controlando qualquer outra fonte de inflama√ß√£o
  • Elimine todos os abrasivos vulvares poss√≠veis; empregue medidas de higiene saud√°veis e de conforto
  • Agende uma consulta com o seu obstetra/ginecologista

Dor do Clitóris (Clitorodinia)

A dor do clitóris é, como a VBD, uma forma de vulvodínia localizada. Com esta condição, a dor centraliza-se no clitóris, com ou sem dor associada no vestíbulo ou vulva. Este é o mais novo problema de dor vaginal a ser reconhecido. Muitos médicos, não familiarizados com Clitorodinia, ainda atribuem qualquer problema relacionado com o clitóris a um problema sexual ou psicológico.

Diagnóstico: Clitorodinia

O diagnóstico é feito pela descrição de dor localizada na área do clitóris. As mulheres muitas vezes têm dificuldade de descrever a dor, mas se referem a uma dor constante ou inflamação. O ato de ficar sentada contribui negativamente, assim como a vestimenta, o exercício e a relação sexual. A dor piora com o ingurgitamento de estimulação sexual, tornando a relação sexual impossível para muitas mulheres.
No exame, o teste Q-tip é negativo (ou seja, o vestíbulo está bem), mas ao tocar o clitóris produz dor.

Causa

Os m√©dicos agora suspeitam que a maioria dos casos de clitorodinia seja causada por dor ap√≥s a herpes, neuralgia p√≥s-herp√©tica. Outras poss√≠veis causas incluem v√°rias doen√ßas de pele. A mais dif√≠cil de lidar √© com a dor do clit√≥ris em virtude de traumatismo. Tenho visto les√Ķes do clit√≥ris causadas pela estimula√ß√£o violenta com vibrador, les√Ķes causadas pelo selim de bicicletas e vigas de equil√≠brio, bem como danos causados por equipamentos de paraquedas. Tratamentos com laser extensivo ou profundo e produtos qu√≠micos abrasivos podem causar dor. Todos os medicamentos que auxiliam no tratamento da vulvod√≠nia t√™m potencial para tamb√©m auxiliar no caso de clitorodinia.

Tratamento

O mesmo, conforme supramencionado no caso da vulvodínia.
Ao se consultar com seu médico, não se esqueça de solicitar um exame de sangue (sorologia HSV), o qual mede os anticorpos para herpes, a fim de ter a certeza de que você nunca foi exposta a herpes. O vírus nem sempre produz as clássicas bolhas, conforme descrito nos textos.
Tradução e adaptação do artigo da Dra. Elizabeth Gunther Stewart, MD,
Membro do Congresso Americano de Obstetras e Ginecologista